• redacao@oespaco.com.br
  • (64) 33612 - 1550
image
2022-07-31 08:55:00

Campinas Goiânia, 212 anos de existência

Responsável por 74% da arrecadação tributária do Município de Goiânia o Bairro de Campinas, ou Setor Campinas, completou no último dia 8 (oito) de julho, 212 anos de sua fundação. Fundada em 1810, (todavia, essa data é apenas uma convenção, já que Campinas é talvez uma das poucas cidades que tenha um fundador nomeado. 

Responsável por 74% da arrecadação tributária do Município de Goiânia o Bairro de Campinas, ou Setor Campinas, completou no último dia 8 (oito) de julho, 212 anos de sua fundação. Fundada em 1810, (todavia, essa data é apenas uma convenção, já que Campinas é talvez uma das poucas cidades que tenha um fundador nomeado. 
O povoado foi fundado no dia 14 de julho de 1774, quando Frei Antônio de Pádua rezou a primeira missa num barracão improvisado, supostamente localizado na Praça Bento Quirino, onde está hoje o túmulo do maestro Carlos Gomes). Mas, se convencionou a data de 08 de julho, pelo fato de que daí em diante foi que aconteceu de fato o desenvolvimento do então lugarejo com a construção da Capela Nossa Senhora da Conceição, se tornando Paróquia em 1845, elevando-se Campinas, à categoria de  freguesia e passa a fazer parte da Vila Bonfim, hoje Município de Silvânia, em 1907,ganha a denominação de Vila, sob a jurisdição da então Barro Preto, hoje Trindade e, emancipada em 1914, se tornando mais um município goiano; em 1933,por meio do Decreto Estadual, assinado pelo então governador Pedro Ludovico Teixeira, o Município de Campinas foi escolhido para sediar a nova Capital de Goiás; a pedra fundamental foi lançada em 24 de outubro de 1933, data escolhida pelo governador Dr. Pedro Ludovico, para homenagear a data da revolução de 1930. 

O nome da nova capital foi formalizado em 2 de agosto de 1935, por meio de decreto governamental. Com a inauguração de Goiânia, a nova capital de Goiás, planejada para receber e abrigar uma população de 50 mil habitantes, o então Município de Campinas deixa de existir e sua sede, a cidade de Campinas, passa à simples categoria de Setor Campinas, bairro de Goiânia. Campinas, carinhosamente denominada “Campininha das flores, sempre foi um bairro sossegado, muito bom de convivência entre vizinhança, já foi morada de Antônio de Jesus Dias, radialista apresentador de programas evangélicos em rádios de Goiânia e de Quito capital do Equador e deputado federal constituinte, foi residência do saudoso Pastor Albino Gonçalves Boaventura, pastor presidente da Assembleia de Deus de Campinas e Senador da república por Goiás; ali também, reside o seu atual presidente bispo Oídio do Carmo e muitas outras celebridades ilustres; a Sede social do Atlético Clube Goianiense e o  Estádio Antônio Accioly, também conhecido como “o castelo do dragão”; 

Há uma região comercial de grande movimento agregando o comercio varejista e também atacadista, Suas três principais avenidas, Avenida 24 de Outubro, Avenida Anhanguera e Avenida Castelo Branco, agregam um verdadeiro APL arranjo produtivo local, contando com um comércio intenso além de algumas indústrias.  Porém, hoje existem muitos problemas que deixam a desejar no âmbito administrativo que é de competência da prefeitura de Goiânia, falta segurança aos comerciantes, várias ruas esburacadas e a praça Joaquim Lúcio, a menina dos olhos da Campininha das flores, está totalmente entregue aos toxicômanos (dependentes químicos” e, com isso, está toda sucateada. 

A praça “A”, é outro gargalo para o povo campinense, ali existe um terminal de Ônibus que nunca resolve ou atende às necessidades dos seus munícipes, além, é claro, de muita poluição e lixo acumulado. Justamente ali, nas proximidades da praça “A”, foi a sede do jornal mais contundente do Estado de Goiás, o Jornal Cinco de Março, de propriedade do Jornalista Batista Custódio, filho de Caiapônia. No dia 8 de julho, enquanto se celebravam às comemorações do aniversário da Campininha das flores, o Prefeito Rogério Cruz, de Goiânia, com seu jeito demagogo, prometeu revigorar aquele bairro e devolvê-lo à comunidade totalmente resgatado como o era antes, inclusive prometendo promover um sistema de monitoramento vinte quatro horas no que tange à segurança pública. Esperamos, más, ficaremos de olhos e alerta a cobrar para que se cumpra o prometido.

Francisco Paula Mesquita
mesquitafranciscodepaula@outlook.com
Bacharel em Teologia e pós-graduado em ciência da religião – ABECAR/SP;
Habilitado para o magistério matricula nº1767/86 DRT/GO;
Técnico em agropecuária – IFGOIANO, Rio Verde GO;
Tecnólogo em Gestão de Pequenas Empresas-Centro Paula Souza SP.
Mestre em Teologia – UB.