• redacao@oespaco.com.br
  • (64) 33612 - 1550
image
2019-02-16 08:45:00

Mercado imobiliário em Rio Verde

Mercado imobiliário em Rio Verde

     Reaquecimento do mercado imobiliário ajuda a movimentar a economia de Rio Verde, Só este ano em Rio Verde quase 70 empreendimentos imobiliários estão sendo prospectados. Pelo menos 15 loteamentos estão sendo implantados tem outros 44 em fase de aprovação.
     Especialistas do setor acreditam que a crise do setor imobiliário pode estar
chegando ao fim. Este ramo é sim um termômetro e tanto da economia brasileira.
As projeções para o mercado imobiliário de 2019 são otimistas para os investidores que buscam boas oportunidades de alcançar rentabilidade. Depois dos anos anteriores supostamente complicados para este meio, 2018 foi um ano de consolidação, o que permitiu novas ideias de superações para o crescimento.
     Dados da prefeitura de Rio Verde mostram que estão sendo executados cinco edifícios de apartamentos residenciais; cinco aprovados ou em aprovação, 15 loteamentos sendo implantados e 44 em aprovação.
     Essa melhora significativa se deve a alguns motivos, entre eles a reação positiva da economia, que fez a demanda subir e ainda porque houve queda na oferta, de novos empreendimentos, já que algumas incorporadoras passaram a construir menos, em meio a recessão.
     Para o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (CRECI) Goiás Eduardo Britto, o momento é de investir. De acordo com ele, só neste primeiro semestre serão lançados 28 empreendimentos imobiliários em Goiânia.
“Rio Verde que é uma cidade muito forte no agronegócio não sofreu tanto quanto outras com a crise e agora com certeza haverá investimentos.
     Desde o fim de 2018 eu tenho dito a incorporadoras e construtoras para adiantarem aprovação de projeto e tudo para que este ano já esteja mais no jeito para começar os empreendimentos”.
     Britto ressaltou ainda que esteve com a superintendente da Caixa Econômica em Goiás Marise de Araújo e serão liberadas verbas para programas como Minha Casa Minha Vida. “A Caixa é detentora de 80% dos financiamentos de novos e 70% dos usados. Quer dizer mais dinheiro liberado vai movimentar toda a cadeia da construção civil e isso é bom para todo mundo”, disse.
     Rafael Nascimento Aguirre conselheiro do CRECI Rio Verde, disse que a tendência é que o mercado em Rio Verde cresça cerca de 10% este ano.
     “Viemos de anos mais quietos, mas a agricultura sempre segura as pontas por aqui, com a economia mais estabilizada temos mais chances de crescimento”.
     Grandes empresas estão de olho no reaquecimento do setor. A Habitat
incorporadora, por exemplo, chega a Rio Verde para construir um empreendimento de alto padrão. Serão investidos cerca de R$ 150 milhões. De acordo com o diretor da empresa, Murilo Brito, eles já atuam em regiões onde o agronegócio é forte, na “rota da soja” e se instalar em Rio Verde faz parte de um planejamento de alguns anos.                      “Acreditamos que o mercado está reaquecendo e chegamos a Rio Verde para movimentar a economia. Trabalhamos por quase um ano e meio para conseguir comprar a área. São cerca de 8 mil m²”, disse Brito. 
     Neste empreendimento serão gerados, por exemplo, cerca de 400 empregos diretos e indiretos. Com a reaquecimento da economia no setor imobiliário, outras áreas também se beneficiam. Em geral são usados mão de obra e fornecedores locais. “assim que anunciamos nossa chegada a cidade começarmos a receber contatos de fornecedores. E é claro iremos usar a expertise destes trabalhadores que já conhecem bem a cidade”, frisou André Galvão, marketing da empresa.

     Evandro Correa, empreendedor do setor de máquinas pesadas está confiante na retomada do mercado. O empresário ficou um bom tempo sem fechar contratos. “Com todos que conversamos o discurso é o mesmo, espera-se que a partir de agora empresas e trabalhadores se beneficiem desta movimentação na economia, no mercado imobiliário. Isso na verdade é ciclo que beneficia várias partes”, falou.

André Galvão