• redacao@oespaco.com.br
  • (64) 33612 - 1550
image
2019-08-01 08:00:00

A METRÓPOLE DO SUDOESTE GOIANO COMPLETA 171 ANOS PARABÉNS RIO VERDE!

O tempo passa e o município fica cada vez mais bem preparado para garantir melhor padrão de vida para sua população. A cidade cresce, industrializa, dá qualidade de vida para todos e aponta para um futuro brilhante. Fazer um retrospecto socioeconômico e cultural nos seus 171 anos é importante para compreender o caminho percorrido por esta metrópole futurística.

   O tempo passa e o município fica cada vez mais bem preparado para garantir melhor padrão de vida para sua população. A cidade cresce, industrializa, dá qualidade de vida para todos e aponta para um futuro brilhante. Fazer um retrospecto socioeconômico e cultural nos seus 171 anos é importante para compreender o caminho percorrido por esta metrópole futurística.
    A colonização de Rio Verde começou no início do século XIX. Na época, apenas a pecuária era explorada e isso continuou até quase o final do século XX, nos anos 70. A partir dali, com a chegada de produtores do sul do País, também dos paulistas e dos americanos e russos que formaram colônias, começou a produção de grãos. Naquela época, o atual município de Montividiu fazia parte de Rio Verde.
    Naquela época, mesmo sendo pecuaristas pobres e sem muita informação, já vendiam gato para São Paulo, Rio de Janeiro, Paraguai, Argentina e diversos outros países da América do Sul.
Havia grande produção de leite, queijos e derivados que se estenderam até os anos 70, A produção na agropecuária era muito rica, mas, a agricultura era apenas de subsistência, o que mudou com o aumento da produção de milho e soja e ainda, com a implantação da Cooperativa Mista dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano, a COMIGO, que veio também para diversificar os negócios no campo e fazer surgir o agronegócio.
    No final do século XX chegou a Perdigão, atual BRFoods, que definitivamente consagrou o futuro da agroindústria na região, empregando, gerando empregos e produtos do agronegócio.
Hoje, o município é rico em todos os aspectos ligados ao campo, não podendo deixar de mencionar a presença da alta tecnologia, com a qual se consegue aumentar produtividade não apenas de grãos, mas de animais nas grandes granjas e fazendas da região.
   Fato importante, é que todas essas riquezas também tiveram lugar por causa da festa de exposição agropecuária, que teve efeito divulgador de tudo que se produziu e continua produzindo no campo.
    Enfocando a cultura, a primeira expressão de cultura foi a banda de música que começou em 1893; depois, vieram as cavalhadas, que encantaram o povo até 1915; a partir de 1911 as bandas de carnaval se tornaram popular e, em 1925 o município teve o primeiro grupo de teatro. Nos grupos de teatro tinha expoentes como César da Cunha Bastos e Frederico Jayme. A elite fazia parte desses grupos, que se fortaleceram até os anos 50.
   Depois disso, surgiu o cinema. Tinha o Cine Rio Verde, o Cine Bagdad e depois, o Cine Presidente. A projeção de filmes em salas comerciais garantiu espaço até os anos 80, quando começou a ceder lugar para as fitas de vídeo cassetes e filmes na TV.
    Rio Verde gestou artistas e cantores como Rony Cardoso, que cantou no Programa do Chacrinha, do Bolinha e Raul Gil. Também teve na região, Nilton Lamas, que foi considerado brega, mas que se projetou junto com a cidade e ficou conhecido no País.
    A partir de 1982, o município começou a contar com Filadelfo Borges, como escritor e historiador, contando a vida de autoridades políticas e do povo.

Hoje, Rio Verde é uma cidade que respira cultura, setor muito valorizado na administração Paulo do Vale, tendo à frente da fundação, Isaac Pires.

DADOS IMPORTANTES SOBRE RIO VERDE:

SOBRE A POPULAÇÃO – No último senso, foi registrado em Rio Verde 176.424 pessoas; em 2018, a população estimada foi de 229.651 e hoje, acredita-se que a população já passa de 240 mil habitantes. É a 4ª maior cidade do estado, de um total de 246 municípios, e a 154ª do País, de um total de 5.570 municípios.

TRABALHO E RENDIMENTO – O salário médio dos trabalhadores formais é de 2,5 salários mínimos. Comparando com outros municípios, é a 24ª de um total de 246 municípios, e a 527ª no País, de um total de 5.570 municípios.

EDUCAÇÃO – A taxa de escolarização de 6 a 14 anos é de 97%. Comparando com outros municípios, é a 176ª em um total de 246 municípios, e a 3.641ª colocada em um total de 5.570 municípios.
    O IDEB (anos iniciais do ensino fundamental da rede pública) = 7,1, é o 10º no estado e o 230º no País;
    O IDEB (anos finais do ensino fundamental da rede pública) = 5,5, é o 59º no estado e o 304º no País.

ECONOMIA – PIB per capita (2016) R$ 39.288,71; percentual de receitas oriundas de fontes externas (2015) 56,3%; índice de desenvolvimento humano municipal (IDHM-2010) 0,754; total de receitas realizadas (2017) R$ 884.294,52. Comparando a outros municípios, é o 34º no estado e o 568º no País.

SAÚDE – A mortalidade infantil é de 10,98 óbitos por mil nascidos vivos. Comparado a outros municípios, é o 118º no estado e o 2.898º no País.

Fonte dos dados do município: IBGE
Site:  https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/rio-verde
Acessado em 31.07.2019


Texto: Divino Ramos