• redacao@oespaco.com.br
  • (64) 33612 - 1550
image
2021-01-05 07:46:00

OTIMISMO PARA 2021 A Vacina está chegando

Francisco de Paula Mesquita  é 
Bacharel em Teologia e pós-graduado em Ciência da Religião – ABECAR/SP;
Habilitado para o Magistério matricula nº 1767/86 DRT/GO;
Técnico em Agropecuária – IFGOIANO, Rio Verde GO;
Tecnólogo em Gestão de Pequenas Empresas – Centro Paula Sousa SP.  
Mestre em Teologia, UB,SP

   Depois de o Brasil ser fortemente ameaçado de ficar sem vacina dado à ignorância do chefe da Nação, eis que surge uma luz ao fim do túnel o Ministro Pazuelo até que enfim anunciou a compra de cem milhões de doses que segundo ele, o contrato foi firmado com o Laboratório Butantã, claro que cem milhões de doses não daria para imunizar um quarto da população brasileira, mas, já é um começo, uma esperança. Esperamos que essa vacina seja comprada e realmente distribuída para sua aplicação seguindo os moldes do SUS que é exemplo internacional e referência em imunização contra diversas doenças e, não tenha o mesmo destino que teve os equipamentos de testes para verificar as pessoas infectadas com o vírus, que o Ministério da Saúde comprou e os atirou em um porão um depósito esconderijo e lá os esqueceu, até perder a validade.  Sabemos que o ano que passou foi um ano atípico provocado por fatores externo e contrário à vontade da humanidade, mas, foi pautado por vigília, isolamento social e muito medo de ser infectado pelo novo corona vírus, com o passar do tempo o povo foi se acomodando e muitos deixaram de seguir as recomendações técnicas no que tange aos cuidados necessários e prevenção contra a onda que assola sem escolher a quem atacar. Ao que parece nos cansamos dos cuidados ou acostumamos com o perigo, com isso houve um agravamento e já são mais de duzentas mil vidas perdidas provocadas pelo COVID 19; nos últimos dias, o Brasil chegou a registrar quase mil e quinhentos óbitos em um único dia, com quase cinquenta mil novos contaminados, mas o povo continua em aglomeração talvez, a seguir os bons exemplos de sua Excelência o Presidente da República com seu negacionismo e sua mania de grandeza. Mesmo com o surgimento e início do trabalho de vacinação, ainda não há motivo para nos descuidarmos, pois somente quando houver vacinado um certo quantitativo da população, haverá então a denominada “imunidade de rebanho” e, seremos novamente liberados para reencontrar nossos entes queridos e nossos velhos amigos. Ainda não é a hora de nos descuidarmos, a vacina apenas está vindo por aí, mas ainda não estamos imunizados, isto levará alguns meses, mas, devemos ter paciência para não perder a batalha. A Bíblia diz que ”Bem-aventurados os mansos pois eles herdarão a terra”; de nada adiantaria ter ficado o tempo todo em isolamento, seguido as recomendações dos médicos e por último sair por aí descuidado e ser infectado, trazer o vírus para casa, contaminar sua família, seu pai, sua mãe, as pessoas que você ama e passar um grande sufoco ou quiçá perder seu ente querido. Por mais que esse isolamento nos traga grandes transtornos tanto físico como financeiro e psicológico ainda é a única saída que os cientistas encontraram para nos preservar a saúde e a vida, não sejamos ignorantes em seguir as ideias de pessoas negacionistas como, Bolsonaro, Trump e outros de sua linhagem de pensamento, neste momento o bom é seguir as recomendações de quem realmente é qualificado e entendem do assunto e com esses requisitos não há outros senão a comunidade médica. Donald Trump é tão estúpido que mudou toda a história de uma velha tradição Americana que é exemplo mundial em democracia e vem esse monstro acéfalo fazendo apologia à desordem a ponto de desencadear uma grande onda de violência com a invasão do congresso Americano onde vidas se perderam. Por outro lado, enquanto o mundo inteiro reprovou as suas atitudes o Presidente Bolsonaro as aplaudiu e inclusive aproveitou do ensejo para colocar em cheque as Urnas Eletrônicas do sistema eleitoral brasileiro que já se tornou referência e modelo para vários outros Países; aliás, Bolsonaro já antecipa sua derrota nas Urnas para uma possível concorrência ao segundo mandato (reeleição) em 2022. Isso mostra que o nosso grande inimigo não se resume em uma “pandemia” onde vidas se perdem a centenas de milhares, mas, devemos nos atentar a um grande inimigo da democracia brasileira.